Os Campos Físicos, Emocionais e Mentais

Na reunião de hoje, quarta-feira dia 18/11/2015, segue uma pesquisa em relação aos campos físicos, emocionais e mentais do ser humano, com suas respectivas manifestações.

campos Físicos, Emocionais e Mentais


Campos Emocionais


Já vimos que o teu corpo físico é feito de energia consciente, que sabe estar a fabricar as células de um corpo físico; também vimos que esta energia consciente possui um campo que se estende até ao infinito, embora a sua intensidade «quebre» no limite do campo da onda estacionária que o contém. Assim, apesar de o nível energético ser muito forte dentro da área limitada pelo invólucro físico, o campo pessoal estende-se muito para além do invólucro definido pela pele.


Este campo estendido é, simultaneamente, um transmissor e um receptor, através do qual tu podes identificar um perigo potencial que esteja por perto, antes que ocorra. Aquilo a que se dá o nome de «instintos», na realidade, é o teu campo estendido que detecta outro campo, quer se trate de um tigre com fome ou de um caminhão descontrolado. Igualmente, tu transmites sinais energéticos através do teu campo estendido para que outros os recebam. Daqui nasceu o ditado: o medo é contagioso.


Algumas pessoas são transmissores mais poderosos e receptores mais sensíveis do que outras, mas a verdade é que todos os humanos funcionam desta forma, sem exceção.

Campos Emocionais


Vimos, anteriormente, que o eu-espírito manifesta três campos: o físico, o emocional e o mental.


O campo emocional é composto de um tipo de energia que não penetra através da barreira física à maneira das partículas subatômicas, tal como o faz a energia do campo físico. Não penetra mas, obviamente, interage com o campo físico uma vez que… é no corpo físico que sentes as emoções!


Assim, as emoções afetam diretamente o estado do corpo físico, para o bem ou para o mal.


No entanto, o corpo emocional é um campo completamente separado, com um invólucro maior – digamos entre 60 a 180 cm para além do perímetro do corpo físico – embora, em algumas pessoas, possa ser bastante maior. Trata-se de um campo percorrido por energias de frequências especiais, algumas das quais são geradas por ti mesmo; outras, captá-las usando os campos como se fossem antenas. E é assim que te relacionas com uma certa emoção.


Por conseguinte, é fundamental:


– saberes quais as energias que tu próprio geras e quais as que captas do exterior;

– saberes que tens controlo… sobre umas e sobre outras!


Suponhamos que, de repente, ficas furioso. Bom, donde proveio essa fúria? Evidentemente que algo dentro de ti a gerou. Talvez tenha sido a) a expectativa de que outra pessoa iria comportar-se de determinada maneira e não o fez; b) preparavas-te para fazer algo de certa forma e a coisa deu para o torto; c) esperavas que determinada experiência ocorresse sob um padrão definido e ocorreu diversamente, etc.


O fato de os teus planos falharem faz com que te sintas imprestável, e a energia do entusiasmo, que antes te preenchia, dissolve-se no campo emocional. Ao sentimento que daí resulta, dás o nome de fúria.


A fúria, porém, pode provir, aparentemente, do nada; neste caso, podes estar a captá-la de outra pessoa que está dentro dos teus campos. Como essa fúria não é tua, podes livrar-te dela muito facilmente fazendo girar o teu campo emocional como se fosse uma centrifugadora, enquanto declaras que desejas devolver essa energia ao Universo.


Experimenta e sente como essa energia sai de ti.


Descarregar as próprias fúrias interiores é igualmente fácil: deves começar por compreender que se trata, simplesmente, de energia… que adora estar em movimento, que se aborrece quando está parada.


Compreende, também, que esta energia não é tua; simplesmente tomaste-a por empréstimo, durante algum tempo. Então, faz rodopiar rapidamente os teus campos e declara a ti mesmo:


Esta fúria (medo, ciúmes, etc.) não é minha nem eu sou dela. Liberto-a de retorno ao Universo. A energia emocional não é boa nem é má; simplesmente é. No entanto, talvez não queiras livrar-te de outras frequências, por exemplo, as do amor e do bem-estar. Se sentes uma emoção como agradável, é porque está a ser captada desde outra fonte: o ESPÍRITO.

 

Campos Mentais


O terceiro campo é a morada do intelecto, o qual opera numa banda de frequências ainda mais elevada do que a do emocional, através de uma relação de rotação mais alta.


Qualquer um dos teus pensamentos é constituído por energia organizada, e é real em função dessa energia. Os pensamentos, portanto, são estruturas energéticas dentro do teu campo mental, constituindo, assim, o chamado corpo mental. Também este corpo deriva de uma matriz oculta – a fonte dessas grandiosas idéias que «te ocorrem«!


Um pensamento é uma coisa real; a verdade, porém, é que os cientistas da Terra ainda não foram capazes de o medir, embora haja vários projetos que se aproximam bastante. Muitas experiências já detectaram variações na condutividade das folhas de uma planta, quando o experimentador se aproxima dela com más intenções… empunhando uma tesoura de podar!


Um pensamento é uma energia de alta frequência, organizada sob uma estrutura coerente. Tu transmites pensamentos a partir do campo mental tal como quando operas a partir dos outros campos. No entanto, só raras pessoas conseguem ler os pensamentos alheios… embora sejam capazes captar as energias físicas e emocionais de quem as rodeia.


A clareza da estrutura e da forma de um pensamento depende completamente da claridade da sua concepção. Uma estação de rádio que esteja a tocar um disco velho e riscado, irá transmitir música «velha e riscada». Isto é muito importante, porque as formas de pensamento que tu transmites vão afetar diretamente os campos de quem está por perto.


Assim, se tiveres pensamentos claros mas repletos de medo, estás a transmitir um sinal claríssimo de que esperas que algo de mal te aconteça… o que é alimentado pelo combustível proveniente das poderosas emoções que acompanham o processo. E, dado que o Universo se adapta muito facilmente, não tardará a «gerar» o que pensaste.


(Fonte: Mestre Anônimo)

* Responsabilidade escrita, revisão, edição – Discípulo Elias

* Digitação, revisão – Patricia Kelly Hasselmann

 

Fraternalmente,

Grupo Fraternidade EMC.

Trabalhando Por uma Humanidade Mais Feliz!

Esta entrada foi publicada em Cabala, Pesquisas e Estudos. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta