Mitos e Verdades

Caros leitores,

Na reunião de hoje, quarta-feira dia 17/09/2014, após a oração habitual, o tema foi desenvolvido sobre mitos e verdades em questão de influência de superstições e magnetismo.

Reuniao Mitos e Verdades 

Uma velhinha que passava, curvada pelo peso dos muitos anos já vividos, sabe Deus como, não resistiu e parou para admirar a cabeça de um bebê que brincava nos braços da mãe. Na verdade ninguém consegue ficar indiferente ao sorriso ou diante do olhar puro e inocente de uma criança.

– “Que gracinha! Que criancinha linda!” – disse.

A mãe agradeceu com um sorriso amarelo. Aliás, no seu zelo de “supermãe”, estava disposta a dispensar estes elogios, com medo de que o olho invejoso de alguém viesse a causar algum dano ao seu pirralho.

Mal a velhinha se distanciou, a mãe apertou o filho contra o peito e voltou correndo para a casa.

– “Valha-me Deus!” – disse preocupada.

Ela olhou muito para o seu filho. Por que fez isso!? A essa altura o garoto já apresentava alguma diferença de comportamento: estranhamente quieto, olhar tristonho e temperatura elevada.

Acompanhada do marido, já chorando, saiu a jovem mãe à procura de ajuda.

O que terá acontecido? O ‘quebranto’ existe mesmo?

Esta preocupação vem de longe. Já o Dr. Franz Anton Mesmer, médico alemão (1733-1815) afirmava que todo ser vivo é dotado de um fluido magnético capaz  de se transmitir a outros indivíduos, estabelecendo-se, assim, influências psicossomáticas recíprocas, inclusive de efeito curativo. Afirmava ainda ter conseguido curas com simples imposição de mãos.

Essa teoria desencadeou ferrenhos debates. Já em 1784 formou-se uma comissão de inquérito composta de quatro médicos (entre eles nomes respeitáveis como Lavoisier e Franklin) e mais cinco membros da Academia das Ciências.

As conclusões a que chegaram derrubam a teoria de Mesmer. Hoje a sugestão explica todos os efeitos atribuídos ao antigo magnetismo e a idéia do fluido segue pelo mesmo caminho, por isso deve ser igualmente descartada.

Já ouvimos falar muitas vezes em ‘olho gordo’, ‘olho seca pimenteira’, ‘mau olhado’… O ser humano, para se proteger recorre aos amuletos: figas, pés-de-coelho, ferradura, trevo de quatro folhas, cristãos, pirâmides, duendes, etc. Estes objetos fazem as pessoas sentirem-se protegidas porque acreditam neles. De fato, não tem poder nenhum. Pura superstição. Sentir-se protegido por Deus e ter a convicção de que nenhum mal nos pode atingir é bem melhor.

Mas voltemos à história do início. O que aconteceu à criança foi contágio psíquico. A mãe teve medo e o filho, muito ligado a ela afetivamente, captou esse medo.

O medo que podemos fazer é criar em torno de nós um ambiente livre de superstições.

(Colaboração Prof.a Márcia Côbero, do Jornal do Evangelizador)

 

Fraternalmente,

Grupo Fraternidade EMC.

Trabalhando por uma Humanidade mais feliz!

 Logo Fraternidade EMC

* Responsabilidade escrita, revisão, edição – Discípulo Elias

* Digitação, revisão – Patricia Kelly Hasselmann

Esta entrada foi publicada em Cabala. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta