Intuição, Cabala e Sephirotes

Caros leitores,

Na reunião semanal de hoje, quarta-feira dia 02/04/2014, após a oração habitual, apresentamos abaixo tema importante sobre a Intuição para estudo esotérico.

intuiçao realidade luz

Que é intuição?

– Que é inspiração?

– Que é revelação?

– Que é sexto sentido?

– Que é experiência mística?

– É o contato direto com a Alma do Universo!

– Que é a Alma do Universo?

– Esta expressão é do grande monista do século XVII, Spinoza, repetida pelo maior matemático do século XX, Einstein.

As religiões dão o nome Deus a essa alma do Universo, que é a Realidade presente em todas as facticidades.

A alma do Universo, Deus, a Realidade, é a Realidade invisível em todas as facticidades visíveis.

Essa alma do Universo não está fora ou além dos corpos visíveis do Universo, como pensam os monoteístas dualistas, mas é o próprio Universo no seu aspecto real e invisível.

É o Uno em todo o Verso, o Ser em todo o Existir, a Realidade em todas as facticidades, como sabe o monista unitário.

Por que essa alma nos é inconsciente?

Essa inconsciência é uma espécie de camada isolante entre o homem profano e a Realidade, comparável a uma camada de vidro, porcelana ou outra substância isolante que nos separa da eletricidade presente, e a faz como ausente de nós.

Que é esse isolante?

O isolante que nos torna ausente e que está presente é a nossa egoidade separatista, o nosso ego ilusório, a nossa personalidade.

Personalidade, persona, pessoa, é uma palavra latina, que quer dizer máscara. O nosso ego, a nossa pessoa, é uma máscara, creada pela nossa individuação.

Na verdade, só existe a única Realidade, o Uno, o Infinito, o Todo, o Absoluto. Mas esse Uno da Essência se manifesta sem cessar no Verso das Existências. Essas existências são as individualizações do Universal único, que está em todas as creaturas.

Todas as creaturas são individuações do Universal, comparáveis ao reflexo do sol único em gotas d’água múltiplas. Quem só olha para as gotas d’água tem a impressão de ver muitos sóis, que é uma ilusão.

Esta ilusão se chama o ego, a pessoa.

Nas creaturas infra-humanas, não há essa ilusão pluralista, produzida pela consciência humana, porque o animal e a planta não pensam conscientemente; neles tudo é instinto inconsciente, e esse instinto inconsciente não crea a ilusão do eu-existir, da ego-existência. O animal e a planta vivem da individualização inconsciente do ser, sem a personalidade consciente do existir.

Arnold Tonybee diz no seu livro “A Atitude do Historiador em Face da Religião”, que a transição do inconsciente para o consciente da ego-personalidade é uma necessidade da evolução, que as leis cósmicas querem, mas é ao mesmo tempo a base para o chamado pecado. Pecado é a ilusão de uma existência separada do Todo, como diz Raman Maharishi, concordando com Arnold Tonybee.

Esta ilusão, oriunda da transição da individualidade inconsciente (planta, animal) para a personalidade consciente, separada do Todo, é um estado de transição, um estágio intermediário entre o inconsciente do indivíduo e o consciente da ego-personalidade, estágio provisório que deve chegar à consciência do Eu-realidade, que é a redenção pela verdade, depois do pecado da ilusão.

É o que a liturgia mística chama a culpa feliz, o pecado necessário, que conduz à gloriosa redenção.

É a lei cósmica de que a verdade pleniconsciente vai através da ilusão consciente, como exemplifica a parábola do Filho Pródigo.

A ego-ilusão conduz à Eu-realização.

O pecado não é passagem pela ilusão, mas a parada na ilusão, que Jesus chama o “pecado contra o espírito santo”.

A ilusão ou pecado da separação condena a verdade real, impedindo a união do indivíduo com o Universal, da parte com o Todo.

O home foi creado o menos possível para que ele se possa crear o mais possível. Este mais possível é a passagem da ilusória ego-consciência para a verdade da Eu-consciência, que Jesus exprime com as palavras “Eu e o Pai somos um”.

O homem é, aqui na terra, a única creatura autocreadora, que pelo poder creador do livre-arbítrio pode passar da potencialidade do seu Eu realizável (ego) para a atualidade do seu Eu-realizado, para a sua auto-realização.

Para chegar a esta altura é necessária a inteligência, mas suficiente somente a intuição.

Fraternalmente,

Grupo Fraternidade EMC.

Trabalhando por uma Humanidade mais feliz!

Esta entrada foi publicada em Cabala. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta