Hipnose (Parte VI) – A Hipnose utilizada inadequadamente e seus riscos

Caros leitores,

Segue abaixo a continuação da reunião de ontem, quarta-feira dia 25/06/2014, onde apresentamos a continuação do tema da hipnose; na sequência a sexta parte sobre os riscos do uso inadequado da hipnose.

a hipnose utilizada inadaquadamente

Alguns hipnotizados no palco usam palavras chaves para furtar. Visto que existem efeitos colaterais indesejáveis, a hipnose utilizada de forma inadequada pode provocar uma série de danos à saúde mental do voluntário.

As piores conseqüências podem ocorrer, após uma hipnose de palco, por exemplo, que só tem como objetivo o entretenimento. Sem conhecimento específico sobre as características da pessoa, o ‘hipnotista de palco’, normalmente um leigo no assunto, pode criar problemas que não existiam, causar dúvidas sobre a sexualidade da pessoa, situações degradantes à sua moral ou conduta, e ainda desenvolver alguma doença até então não manifestada.

Um caso famoso é o de um britânico que foi levado a imitar, por mais de duas oras, o cantor Mick Jagger. Alguns dias depois ele foi hospitalizado e os médicos diagnosticaram esquizofrenia. O britânico afirmou que os problemas mentais só apareceram após ele ter sido hipnotizado. No mesmo espetáculo, em um espectador, em seu pênis, e em outro, que estaria afirmando estar grávido. Claro que provocar uma esquizofrenia é uma coisa rara. Nesse caso, especificamente, o hipnotizador até foi inocentado.

“Mas fazer uma pessoa acreditar que é outra, pode levar a uma dissociação de personalidade”, explica o psicólogo Barjard Velloso Galvão, presidente do Instituto Milton Frickson de São Paulo, que organizou há algum tempo atrás uma palestra sobre o assunto, para o Encontro da Sociedade Brasileira de Hipnose, em outro tempo. Segundo ele, é possível que um transe mal induzido, ocorre uma doença psíquica que estava recolhida; pior ainda esse indivíduo já tivesse manifestado uma psicose ou esquizofrenia.

A hipnose poderia desencadear uma crise. E de acordo com Galvão, mesmo a “brincadeira do pênis”, se feita com um indivíduo em dúvida sobre sua sexualidade, poderia deixá-lo ainda mais confuso.

É preciso conhecimento, técnica e muita cautela.

(Adaptado e esquematizado pelo escritor Jalil Kamel Elias Bou Assi)

Na próxima semana, apresentaremos a hipnose sobre o ponto de vista acadêmico. Muito importante a sabermos.

Fraternalmente,

Discípulo Elias.

Grupo Fraternidade EMC.

Trabalhando por uma Humanidade mais feliz!

Esta entrada foi publicada em Cabala. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta