As Ordens Esotéricas e Seu Trabalho

Caros leitores,

Na reunião de hoje, quarta-feira dia 01/10/2014, após a oração habitual, o tema foi desenvolvido sobre as Ordens Esotéricas e Seu Trabalho.

Reunião Sociedades-secretas  Em todos os tempos e entre todas as raças, tem existido uma tradição referente a certas escolas esotéricas ou fraternidades, onde um conhecimento secreto, desconhecido da maioria da humanidade, podia ser aprendido e cuja admissão era obtida através de uma iniciação, na qual os testes e os rituais tinham a sua parte. Quem quer que esteja familiarizado com a leitura do Folclore e da Antropologia, sabe que essa crença existe, dos povos primitivos, dos esquimós do circuito ártico, aos mineiros indígenas da terra do fogo. Quem que tenha estudado História também sabe que isso prevaleceu desde a primeira aurora da cultura humana.

Hoje, nos centros do mundo civilizado, essa crença ainda está viva, e, embora possa ser ridicularizada pelos que tem mentalidade ortodoxa, um observador imparcial não pode deixar de notar que alguns dos homens mais nobres estiveram entre os seus defensores, e que as inteligências mais criativas têm dado, quase sem exceção, testemunhos de uma fonte de inspiração vinda do invisível.

É difícil acreditar que esse rumor pudesse se difundir tão amplamente e pudesse manter tão longa existência, se fosse inteiramente destituído de fundamento; ademais, o fato que não tiveram relacionamento umas com as outras, tal como os egípcios primitivos e os primitivos mexicanos, são prova maior em favor desta verdade. Não é possível demonstrar, àqueles que estão fora dos limites, a existência de organizações como aquelas a que nos referimos, porque, desde que haja a revelação dos seus segredos, vem, com isso, a obrigatoriedade do silêncio.

É permissível, contudo, dar informações suficientes para capacitar aquele que busca com ardor discernir o caminho pelo qual pode aproximar-se da entrada de uma ou de outra dessas escolas, e, com esse propósito, o ensinamento que se segue, concernente às ordens esotéricas e às suas funções, é colocado diante do leitor; embora as provas das declarações aqui contidas devam ser recusadas, ate que ele se tenha qualificado para recebê-las.

As diferentes escolas de ocultismo declaram-se detentoras de uma ciência tradicional secreta, a elas comunicadas, em primeiro lugar pelos fundadores divinos, e enriquecida e revisada, de tempo em tempo por grandes mestres. Essa ciência refere-se ao estudo das causas que estão por trás dos fenômenos perceptíveis, e os condicionam. Depois de testes preliminares, quanto ao caráter e à aptidão, as fraternidades ocultas estão preparadas para transmitirem a teoria dessa Ciência aos candidatos aceitos, e, subsequentemente, transmitir também os poderes para seu uso prático, por meio das iniciações e rituais. São essas, em resumo, as afirmações feitas em favor das escolas esotéricas, por aqueles que estão em condição de falar por elas.

Frequentemente, e com muita razão, pergunta-se por que as sociedades que confessam terem sido formadas para servir a humanidade, e têm ensinamentos tão valiosos a dar, não se comunicam livremente com todos os que as procuram. Não deveriam ademais, estarem antes fazendo propaganda ativa do seu trabalho a fim de induzir as pessoas a procurá-las a compartilhar de sua sabedoria, e não como parece estarem fazendo, esconderem-se como que procurando todos os recursos possíveis para evitar observação e impedir que sejam descobertas por aqueles que aprenderiam com elas?

A resposta a essa pergunta será encontrada quando a natureza da ciência oculta for compreendida. O caso refere-se aos poucos conhecidos poderes da mente humana, e a certos aspectos pouco compreendidos na natureza. Se as pesquisas quanto a esses assuntos fossem puramente teóricas, não haveria necessidade de guardarem suas descobertas tão cuidadosamente, mas o conhecimento dos fatos, assim descobertos, revela imediatamente suas aplicações. O conhecimento confere poder nesse campo de pesquisa, ainda mais do que nos campos explorados pela ciência ortodoxa, porque o poder que se faz assim disponível é o poder da mente; e os efeitos do uso desse poder são de tão grande alcance, tanto para o bem quanto para o mal, que não é coisa para ser levianamente confiada às mães de qualquer ser humano.

Tal como a lei sobre drogas perigosas restringe a compra e a administração de drogas fortes, os que são os guardiões desse antigo conhecimento tradicional, procuram salvaguardar o seu uso. Sendo de natureza tão sutil, é impossível evitar os abusos se ficarem em mãos inescrupulosas; portanto, seus guardiões fazem tudo quanto lhes é possível para que tais pessoas tenham acesso a ele. Daí as restrições que cercam o seu ensinamento. Tais restrições, entretanto, não são mais severas do que as que se fazem na prática da medicina, para a qual cinco anos de pesado aprendizados são necessário.

Estamos, contudo, tão habituados a vermos o ensino espiritual dado livremente, a ouvir o chamado: “Todos os que têm essa sede, venham às águas da vida e bebam livremente”, que não podemos entender o sistema que recusa qualquer fluxo saído de tal fonte aos que estão sedentos. A razão está no fato que não pode ser muito claramente entendido pelos presumíveis neófitos, de que a ciência oculta é uma coisa mental, não é boa nem má em si mesma, mas só na forma pela qual é usada e poderosa, tanto para o bem como para o mal, pode salvar almas das quais nenhum outro meio pode aproximar-se, e também pode mesmo sem má intenção, destruí-las. Não é brinquedo de crianças, e são poucos os que estão preparados para o caminho que leva as alturas.

Não obstante, para os que podem aventurar-se por ele, é uma nobre procura para a alma, uma verdadeira cruzada contra os poderes das trevas e a iniquidade espiritual em altas religiões. Nos lugares ocultos do mundo, bem pouco suspeitados pelos que não estiveram face a face com eles, é que homens e mulheres de coragem, força e o conhecimento indispensável são necessários para tratar com eles.

O treinamento dado nas escolas ocultas destina-se a preparar o adepto, um ser humano que, pelo exercício intensivo, elevou-se acima do desenvolvimento comum da humanidade, e está dedicado ao serviço de Deus. Certo trabalho, em conexão com a evolução e com o desenvolvimento espiritual e a salva guarda das nações é empreendido por homens e mulheres altamente treinados, embora seu trabalho nunca seja visto e o local de treinamento jamais se faça conhecido.

Seu treinamento real pode dizer-se, é feito nos planos interiores, e é só o treino preliminar, que os prepara para escolas ocultas, tem lugar nos planos físicos.

A percepção é preparada, para a sua Grande Busca, e aventura-se sozinho pelo invisível. Não se pode dizer muito mais em relação a esse treinamento, e não muitos estão aptos para ele, mas foi dito o bastante para afirmar e alimentar o pensamento.

(Mestre Esotérico Dion Fortune, adaptado pelo Discípulo Elias)

 

Fraternalmente,

Grupo Fraternidade EMC.

Trabalhando por uma Humanidade mais feliz!

Logo Fraternidade EMC

* Responsabilidade escrita, revisão, edição – Discípulo Elias

* Digitação, revisão – Patricia Kelly Hasselmann

Esta entrada foi publicada em Cabala. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta