Além dos Véus

Caros leitores, 

Nesta quarta-feira dia 09/12/2020, repassamos a mensagem que segue, promovendo o enriquecimento de nossas reflexões:

Além dos Véus

“Uma menina de grande beleza estava oculta sob um espesso véu cinza no qual estava pintado um rosto feio. Assim, a verdade de seu ser estava guardada em segredo e poucos se aventuraram a aproximar-se dela pela sua aparência pouco atraente. Ela cresceu e se deu conta de que a causa de sua solidão e tristeza, a perda de sua liberdade de movimento e saúde, se devia aos véus. Porém ela estava tão acostumada àquela situação que acreditava não ser possível sobreviver sem eles.

Entretanto, ela teve a sorte de encontrar um “mentor iluminado” de outro país, e finalmente foi convencida a descartar ao menos um véu. Depois de muito procurar pela força interior para fazer isso, implorou ao “seu mentor” que a ajudasse. Ele levantou as mãos dela e juntos tiraram o véu no qual estava pintado o rosto feio. Ela se sentiu muito melhor por ter feito aquilo. Começou a sentir certa alegria.

Depois de um tempo, ela estava ansiosa para descartar outro véu e de novo “seu mentor” veio e a ajudou a tirá-lo. E assim continuou. Quanto mais véu retirava, mais leve se tornava e gradualmente vislumbrou a realidade da natureza que a rodeava, podendo ver as árvores com clareza, os pássaros nos galhos e assim escutava toda encantada, seus maravilhosos cantos. Ela viu a beleza nos rostos dos outros e começou a sentir o fluxo do amor em seu coração.

A vida agora estava se transformando em um presente verdadeiramente divino a ser apreciado. Diariamente agradecia ao “seu mentor” por ajudá-la a se transformar em uma pessoa tão feliz.
Finalmente chegou o tempo em que já não suportava mais o último véu que a envolvia.

Ela sabia que aquele véu a estava separando da luz, beleza, harmonia e contato amoroso com outras pessoas belas. Embora não soubesse como poderia se arrumar sem ele, então retirou-se em silêncio junto com “seu mentor” e pediu que o último véu fosse removido.

Aquele foi um tempo de agonia, já que o véu parecia ser parte do seu ser.  Mas, “ela pediu e suplicou” e em um momento de “brilhante luz, o véu queimou-se e se desprendeu dela”.

A forma “que restou era a sua realidade – e ela entrou em uma perfeita liberdade interior!”


(Fonte: Cartas de Cristo)

* Responsabilidade escrita, revisão, edição – Discípulo Elias* Digitação, revisão – Patricia Kelly Hasselmann

Paz Profunda!
.’.

Fraternalmente,

Grupo Fraternidade EMC.

Trabalhando por uma Humanidade mais Feliz!

Esta entrada foi publicada em Cabala, Diversos, Pesquisas e Estudos. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta