A Reencarnação. Os Devas.

Caros leitores,

O tema, desenvolvido na reunião de hoje, quarta-feira dia 28/08/2013, foi sobre a Reencarnação. E na continuidade sobre os elementais mais sutis, sobre os Devas.

Reencarnação

Durante o ciclo de reencarnação, os seres humanos encarnam na assim chamada “Escola Terrena”, para aprender lições especiais a respeito das qualidades superiores da vida, e para trabalhar em favor do próximo.

Reencarnacao

Durante a caminhada no viver, deparamos com obstáculos que, muito frequentemente, são produzidos pela nossa própria maneira de pensar. Ao longo de nossas vidas, criamos obstáculos e empecilhos que refletem a nossa percepção imperfeita da realidade. São nossos erros de percepção que nos impedem de conviver harmoniosamente com o próximo, e muitas vezes se manifestam na forma de doenças no corpo físico.

Aprendendo de qual for, especificamente, o obstáculo à percepção, a doença que poderá manifestar-se no sistema de órgãos que ressoa de forma mais íntima, com o cháckra que rege uma determinada lição de ser aprendida. A expressão e a aceitação do amor, talvez seja uma das lições mais difíceis de aprender.

Muitas vezes o problema consiste numa falha de percepção que impede o indivíduo de perceber a existência de amor no mundo, ou seja, o indivíduo poderá estar rodeado por aqueles que o amam, mas seus temores internos, projetados para as outras pessoas, talvez façam o mundo lhe parecer ameaçador, bloqueando assim a sua percepção da presença do amor. Quando a lição a ser aprendida envolve a capacidade de o indivíduo amar a si mesmo e aos outros, os bloqueios ao fluxo de energia através do cháckra cardíaco, podendo manifestar-se na forma de doenças físicas no coração, no íntimo, nos brônquios e nos pulmões.

Curiosamente as doenças são as lições não aprendidas, e talvez não tenham se originado na atual existência. As doenças também podem estar relacionadas com vidas passadas. Nesta categoria, incluem-se tanto doenças físicas como mentais. Em determinados indivíduos com fobias incomuns, a regressão hipnótica às vidas passadas, tem ajudado a revelar os acontecimentos emocionalmente traumatizantes que deram origem às fobias. Quando a pessoa consegue lembrar-se de um incidente traumatizante ocorrido numa vida passada, a fobia geralmente desaparece. No caso de doenças físicas relacionadas com dificuldades experimentadas com vidas passadas, existe o envolvimento de outros caminhos energéticos.

O Grupo Fraternidade EMC pretende, na próxima semana, estender ainda o ensinamento sobre o tema da Reencarnação.

Os Devas

Já subindo na hierarquia angelical, encontraremos os resplandecentes Devas, que não têm contato direto com a criatura humana e arcam como encargos principais instruir e supervisionar as atividades dos elementais e dos anjos tutelares, e em consonância com isso são os grandes controladores dos quatro elementos e dos efeitos da ação de tais elementos.

Devas

Os devas detêm efetivamente o poder imenso de desencadear ou fazer cessar a fúria dos elementos, mesmo quando tal fúria é provocada pelas ações humanas. Entretanto, se espontaneamente atenuam os efeitos de certos desastres e catástrofes (terremotos, vendavais, erupções, vulcânicas, etc), não os freiam, já que são consequências do livre-arbítrio humano – o que só fariam se os seres humanos com eles sintonizassem e erguessem um apelo maciço no sentido de aplacar a fúria dos elementos, tão frequentemente praticada pela estultícia humana.

Outra função dos devas é dar suporte e vitalizar as instituições religiosas, centrando sua energia em todos os templos do mundo, independentemente do credo, e da mais modesta igrejinha ao mais suntuoso templo ou mais fabuloso mosteiro.

Na Terra, o maior canal e foco de influência dos Devas está sediado no sub-plano etérico sobre a mais elevada montanha da Austrália; o dirigente espiritual dessa “sede etérica” é o Deva Lemuel, sublime criatura espiritual que presta serviços à Terra desde a gênese desta.

Esta entrada foi publicada em Cabala e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta